Porquê mulheres negras sofrem mais com a violência obstétrica

Porquê mulheres negras sofrem mais com a violência obstétrica 1920 1281 Vivian de Castro Lehfeld

Não se trata aqui do que eu acho. Uma seguidora me questionou e eu fui pesquisar. Sim, a verdade é que as mulheres negras sofrem muito mais violência obstétrica. Não estou excluindo e nem minimizando a dor das outras, mas há diversos dados que comprovam essa situação e infelizmente o racismo estrutural institucional pode ser a maior causa. (Basta dar uma “googada”).

Imagine você que há uma crença de que a mulher negra é mais resistente a dor podendo suportar mais horas em trabalho de parto, sem medicação e sem um amparo adequado.

Esses dados ficaram evidentes no estudo “A cor da dor”, realizado pela Fiocruz, que analisou entrevistas e avaliação de prontuários de 23.894 mulheres brasileiras.

  • Violência Obstétrica caracteriza-se por abusos sofridos por mulheres quando procuram serviços de saúde na hora do parto. Os maus tratos podem ocorrer como violência física ou psicológica, gerando vários traumas às mulheres.
  • Para produção de provas há possibilidade de perícia, testemunhas, documentos e, nesse caso a palavra da mulher tem muito peso, ficando os hospitais públicos ou privados sujeitos ao pagamento de danos morais.

Tipos de violência obstétrica:

Negação: Negar o tratamento durante o parto, humilhações verbais, desconsideração das necessidades e dores da mulher, práticas invasivas, violência física, uso desnecessário de medicamentos, intervenções médicas forçadas e coagidas, detenção em instalações por falta de pagamento, desumanização ou tratamento rude.

Discriminação: violência manifestada por discriminação baseada em raça, origem étnica ou econômica, idade, status de HIV, não-conformidade de gênero entre outros.

Negligência: Impossibilidade de prover mãe e bebê com o atendimento necessário para garantir a sua saúde de ambos.

Denúncia:

Pode ser feita nas secretarias Municipal, Estadual ou Distrital, CRM (Conselho Regional de Medicina) quando se tratar de profissional médico ou COREN (Conselho Regional de Enfermagem) quando a abordagem violenta venha de enfermeiro ou técnico de enfermagem.

Denúncias também podem ser feitas pelo número 180 ou pelo Disque Saúde 136.

Esse texto é informativo e não deve substituir a consulta com um profissional.

Preferências de Privacidade

Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações através de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Vale ressaltar que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e os serviços que podemos oferecer.

Click to enable/disable Google Analytics tracking code.
Click to enable/disable Google Fonts.
Click to enable/disable Google Maps.
Click to enable/disable video embeds.
Nosso site usa cookies, principalmente de serviços de terceiros. Defina suas preferências de privacidade e/ou concorde com nosso uso de cookies.