A pandemia intensificou no mundo corporativo a possibilidade do trabalho home office. Muitas empresas optaram pelo teletrabalho para não cessar suas atividades e, mesmo com a flexibilização do isolamento social, decidiram manter o trabalho remoto até o final do ano, ou ainda planejam tornar o home office uma prática comum dentro da empresa, no pós-pandemia.

A redução dos custos

Muitas empresas perceberam que os custos com a manutenção do escritório podem ser reduzidos e que os funcionários são mais produtivos quando trabalham em um ambiente doméstico.

O ambiente físico do escritório deve permanecer para ser um espaço de convívio social, um ambiente para reuniões e treinamentos, por exemplo.

Nessa configuração, empresas podem optar por um rodízio de profissionais in loco e em home office, sem a necessidade de ampliar o escritório, por exemplo.

A adequação e comunicação

É importante ressaltar que a adequação dos colaboradores que trabalham remotamente deve ser acordada e descrita no contrato de trabalho. A empresa deve fornecer equipamentos básicos e suporte necessário para a realização do trabalho remoto.

A comunicação entre líderes e funcionários permanece intacta, por isso a importância da elaboração do código de ética e conduta da empresa para o colaborador estar de acordo com as regras e confortável em suas funções.

Contrato de trabalho no pós-pandemia

Os contratos de trabalho devem ser adaptados às normas da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), caso o trabalho remoto se torne definitivo. Questões trabalhistas como horas extras, controle de jornada, recursos para execução das funções, medicina do trabalho e outras, estão implicadas nessa mudança. Por isso a adequação contratual deve ser realizada pelo Departamento Jurídico e pela área de Recursos Humanos.

A gestão de pessoas

O acompanhamento e controle do pessoal também se altera no modelo home office. Existes softwares de gestão que são fáceis de manusear e se adequam à equipe.

Durante os meses de pandemia foi observado que o aspecto organizacional está mudando. Ao invés de se aterem ao tempo trabalhado, empregadores estão focados nas metas e entrega de tarefas, valorizando cada vez mais a produtividade e resultados obtidos.

O futuro do home office

O teletrabalho mostrou que veio para ficar e que pode ser incorporado à cultura organizacional. A adoção definitiva desse tipo de trabalho atravessa a reestruturação do modelo de negócio e vai até as relações de trabalho dentro da empresa, isto é, um processo a longo prazo.

Mesmo assim, o contrato do teletrabalho pós-pandemia é muito mais viável, recomendável e possível para empregadores e empregados.